Skip to content

Nipsters: o nazismo usa máscaras na Alemanha

30/07/2014

Ao invés de rechaçar cultura pop, neonazis tentam apropriar-se dela. Consomem como “hipsters”, vestem-se de negro e… agridem violentamente um número cada vez maior de imigrantes

Cauê Seignemartin Ameni | Outras Palavras

O atual movimento neonazista alemão vem buscando novos recrutas na subcultura dos jovens com barbas, sacolas de pano, óculos antigos e faixas com slogans nazistas. Ao se deparar com o número cada vez maior dos chamados hipster em manifestações anti-imigrantes organizadas pela extrema-direita, a mídia local apelidou-os de “nipsters”, relata longa reportagem de Thomas Rogers para revista Rolling Stones.

Assim como a propaganda foi essencial ao regime do Terceiro Reich, as redes sociais têm sido a principal plataforma do movimento. Os jovens usam intensamente o YouTube, Tumblr, Instagram e outras redes sociais para ganhar mais apoio na Alemanha, disse à revista Patrick Schroeder, um dos líderes do movimento no nordeste da Bavária, onde pretende dar um rosto social e político mais descolado à extrema-direita alemã.

Schroeder, descreve a reportagem, tem as laterais do cabelo raspado, só veste preto e usa uma bandana com as inicias H8 – que significa “Heil Hitler”. Ele ficou conhecido com seu programa no canal nazista online FSN.tv, onde apresenta, ao lado de um mapa da Alemanha de 1937, as novidades sobre o movimento nazista. Procura mostrar uma extrema-direita menos ameaçadora, dizendo que pessoas de outras subculturas, incluindo hip-hop, poderiam se juntar ao grupo sem alterar seu visual.

“Se a definição do nipster é de alguém que pode viver no mainstream”, explicou Schroeder à Rolling Stone, “então vejo isso como o futuro do movimento”. Para ele “se o Terceiro Reich fosse tão ruim, teria ruído”. Schroeder organiza um show anual de bandas nazistas conhecido como Live H8 concert, mas está furioso por ter seu evento impedido pelas autoridades ano passado. “Neste país, se você tem a opinião errada, todo mundo está contra você”, lamenta.

Para Andry Knape, 28, membro chefe da Junge Nationaldemokraten (JN), a ala jovem do Partido Nacional Democrático da Alemanha (NPD), o maior partido de extrema-direita do país, não há contradições em usar um visual americano e ter como objetivo “preservar a cultura alemã”. Fundado em 1964 por hitleristas, o NPD tem envolvido cada vez mais jovens. Como Scroedes, Kanpe quer dar ao “nacionalismo” uma cara mais palatável, conta a reportagem. Para ele, que cresceu sobre influência da cultura pop norte-americana, a ideia de policiar os hábitos culturais dos jovens é bobagem. Ele prefere manipular a cultura com o intuito de “usá-la para trazer mais jovens ao rebanho”. “Nós não queremos nos desligar”, diz Knape à revista, sobre a cultura hipster. “Eu vejo rap e hip-hop, por exemplo, como uma maneira de transportar a nossa mensagem”. 

O grupo de Knape vem obtendo grande audiência: “A internet nos permite alcançar as pessoas que não alcançamos na rua”. Seu último vídeo que viralizou na rede, apresenta pessoas dançando com máscaras, em meio a carros destroçados, com cartazes dizendo “Tenha mais relações sexuais com nazistas”. No canal também é possível  assistir homens encapuzados tagarelando como fazer diversos pratos veganos.

Michael Schaefer, 31, também membro do JN, diz que: “Nós assumimos o nipster. Quero dizer hipster nacionalista, não hipster nazista”. Segundo o livro de Mark Greif, What Was Hipster?, o termo hipster refere-se a um consumidor que “se alinhou com a rebeldia da subcultura e com a classe dominante, e assim, abriu um canal venenoso entre os dois”. Nos últimos anos, uma série de rappers de extrema-direita surgiu na Alemanha, como Makss Danos e Dee Ex. Eles exaltam as supostas virtudes da identidade alemã em suas letras. Assim como o techno neonazista, do DJ Adolf, lembra Thomas Rogers.

O jornalista alemão John Riceburg explica que os nazistas sempre tentaram copiar as subculturas juvenis, dando os exemplos dos skinheads, que são originalmente “uma espécie de subcultura proletária da juventude”. Em entrevista à RT, Weyman Bennet, secretário União Anti-Fascista, disse: “Eles estão tentando integrar as ideias nazistas e fascistas como algo aceitável. Vimos isso na década de 70 – quando parte dos primeiros punks começaram a usar suásticas”. No início dos anos 70 até os anos 90, o movimento fascista tentou se “reconectar na cultura dos jovens”, acrescentou.

As autoridades e a população tem reagido ao fenômeno. O Tribunal Superior está preparando uma audiência para tentar proibir a face pública do movimento: o Partido Nacional Democrático da Alemanha, composto por vários grupos de extrema-direita em todo país. Em 2014, com 1% dos votos, ele conseguiu pela primeira vez um assento no Parlamento Europeu. Em abril, uma marcha contra imigrantes feita pelo NPD em Berlim foi bloqueada com sucesso por milhares de manifestantes. Em Munique, está em curso o julgamento do membro do National Socialist Underground, célula de extrema-direita, acusado de matar 10 pessoas entre 2000 e 2007.

Com o vestuário neonazista mais arrumado é difícil de reconhecê-los, diz Cynthia Miller-Idriss, professora norte-americana que vem realizando pesquisas com jovens de extrema-direita nas escolas. “Se você era um professor”, diz ela, “você costumava identificar um skinhead em sua classe e poderia pensar como intervir. Mas agora é mais difícil para sociedade em geral entender quem esses jovens são para se engajar com eles”.

No último relatório de 2013 do Bundesverfassungsschutz, agência de segurança interna alemã, concluiu-se que existem cerca de 22.000 membros de extrema-direita na Alemanha, incluindo 9.600 que estão “dispostos a envolver-se em violência”. De acordo com as estatísticas, eles cometeram 473 crimes violentos contra estrangeiros ano passado, um aumento de 20% em relação ao ano anterior.

Coincidência ou não, o surgimento do nipster ocorre no mesmo tempo que a extrema direita vem ganhando apoio em toda a Europa. Muitos associam o sucesso destes partidos à sua capacidade de maquiar-se com um slogan mais amigável e menos ameaçador. O cientista político holandês Cas Mudde, argumentou que esses partidos conseguiram ligar a crise do euro “com suas características ideológicas fundamentais: nativismo, autoritarismo e populismo”, elaborando uma solução simplista, de fácil aceitação entre jovens desolados.

No vídeo, temos nas placas as seguintes frases:

Werde aktiv = Torna-te ativo

Widerstand = Resistência

Multikulti wegbassen = Fora com a multicultura

Mehr Sex mit Nazis (ungeschützt) = Mais sexo com os nazistas (sem proteção)

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: