Skip to content

O último caçador de nazistas

12/06/2010

Criminosos restantes não partirão anônimos deste mundo, diz Efraim Zuroff

Afundado no sofá do lobby de um hotel em São Paulo, o historiador judeu americano Efraim Zuroff – o “último caçador de nazistas” do centro Simon Wiesenthal – avisa de cara que não é sua primeira vez no Brasil. Da última, em 2008, estava à caça do dr. Aribert Heim, o médico da SS que, curioso, injetava gasolina no coração de prisioneiros dos campos de concentração de Mauthausen, Buchenwald e Sachsenhausen. “Quê?”, deixa escapar o repórter. Zuroff fica impaciente. Corpulento, com 1,90 de altura e quipá de tricô pendurada na cabeça, desliza até a ponta do sofá, apoia os cotovelos nas coxas e pega fôlego para explicar.

Uma pista no Brasil indicava que o dr. Heim mantinha contato com sua filha ilegítima residente em Puerto Montt, Chile. A moça, nascida na Áustria, era a isca para pegá-lo. Então, “obviamente”, Zuroff tinha de passar pelo Brasil.

E a história segue. Acuada, a filha do médico nazista garantiu que nunca conhecera o pai. Nem sequer sabia do seu passado. Mas admitiu ter visto a mãe ser interrogada pela polícia austríaca. “E não teve a curiosidade de perguntar sobre o que era o interrogatório?”, questiona Zuroff, em límpido inglês nova-iorquino. Um ano depois, outro filho do “Dr. Morte”, como Heim era conhecido, apresentou um atestado de óbito do pai emitido no Cairo, em 1992. O corpo teria sido jogado em vala comum. Compra-se o documento em qualquer shouk (mercado) da capital egípcia, argumenta Zuroff, e ser dado como morto é o que mais quer um fugitivo nazista. A caçada corre até hoje e, esta semana, dr. Heim, o número 1 da lista de “criminosos nazistas mais procurados” que o historiador distribui, faz 96 anos. Se estiver vivo.

“O sr. acha que ainda existem criminosos nazistas no Brasil?”, o repórter deixa escapar outra. “Há boas probabilidades”, diz em tom de tédio o historiador, que passa a enumerar casos de nazistas que aqui encontraram refúgio. O mais notório é Josef Mengele, à caça de quem Zuroff, sem sucesso, iniciou sua carreira ainda como funcionário do Departamento de Justiça dos EUA. Mengele foi talvez o nazista mais procurado, responsável pelos experimentos médicos em Auschwitz, mas morreu do coração na praia de Bertioga. “Essa morte, sim, conseguiu-se provar.”

Outro que para cá veio foi Herberts Cukurs (pronuncia-se Tsucus), famoso aviador da Letônia que serviu, voluntariamente, no Comando Arajs, uma das mais eficientes unidades de extermínio de judeus, ciganos e deficientes mentais. Cukurs pilotava um hidroavião na Represa de Guarapiranga – conta-se que o fazia com a mesma jaqueta de couro que vestia durante os massacres na Letônia. Por um ano, recebeu proteção do Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Foi morto pelo Mossad no Uruguai.

O caçador de nazistas continua a listar: Franz Stangl, comandante do campo de Treblinka que virou operário na fábrica da Volkswagen em São Bernardo e foi deportado para a Áustria; e Gustav Wagner, guarda do centro de extermínio de Sobibor, que o governo brasileiro recusou-se a extraditar.

“Há, sim, boas probabilidades”, repete.

Panteão. Com mais cuidado, Zuroff exibe a própria coleção de criminosos do Holocausto que trouxe a público. Nem todos foram a julgamento, explica, pois “sem vontade política não há justiça”. Mas, anônimos, deste mundo não vão sair.

Foi um golpe de sorte que transformou de vez o americano nascido no Brooklin três anos após o fim da 2ª Guerra em detetive caçador de nazistas. Zuroff estudou o Holocausto na Yeshiva University, de Nova York, nos anos 60 (“queria entender por que o genocídio ocorreu”). Formado, ele passou a auxiliar o governo americano no caso Mengele, quando se deparou com o que até hoje chama de “uma mina de ouro”.

Era uma lista da Cruz Vermelha da qual constavam 60 milhões de refugiados da 2ª Guerra, seus nomes, para onde emigraram e endereço no novo país. Zuroff fez um teste: pegou 40 criminosos de guerra de que lembrava de cabeça e foi procurar na lista. Achou 16. Com o mapa do macabro tesouro, juntou-se ao Centro Simon Wiesenthal, do lendário caçador de nazistas, e mudou-se para Israel, de onde coordenaria as buscas.

Entre suas presas abatidas com base no documento, Zuroff confessa ter uma favorita. Trata-se do croata Dinko Sakic, chefe do campo de Jasenovac, a “Auschwitz dos Bálcãs”, onde a milícia fascista local, a temível Ustasha, dispensou a ajuda de tropas nazistas para conduzir o extermínio de judeus, sérvios, ciganos e comunistas. Lá foram assassinados 500 mil civis.

Em 1998, o americano encontrou Sakic, então um senhor de 77 anos, em Santa Teresita, Argentina. Zuroff conduziu uma intensa campanha midiática na recém-formada Croácia, que, mesmo relutante, decidiu solicitar a extradição. Sakic foi julgado “por um tribunal croata, diante de uma bandeira croata e em croata”, diz Zuroff. “Daquela vez, não diriam que era propaganda sérvia.”

A prisão do carrasco dos Bálcãs coincidiu com a Copa do Mundo na França e, quando a seleção croata deu uma goleada de 3 a 0 na Alemanha, ouviram-se gritos de “Din-Ko Sa-Kic” no centro de Zagreb. À época, um grupo de extrema direita chegou a pôr a cabeça de Zuroff a prêmio: US$ 25 mil. Mas não teve jeito. Os croatas deitaram-se, pela primeira vez, no divã da história para confrontar seu passado no Holocausto. Sakic foi condenado a 20 anos, pena máxima na Croácia na época, e morreu em 2008.

Zuroff explica, porém, que o estranho coquetel de Croácia, futebol e Holocausto nem sempre lhe trouxe bom agouro. Há dois anos, ele deu a dica e repórteres do tabloide britânico The Sun acharam Milivoj Asner, croata acusado de ter sido chefe da Ustasha na cidade de Pozega, onde coordenava deportações sem ordens escritas – era advogado e sabia que instruções em papel poderiam se converter em provas criminais. Em uma noite, teria ordenado a morte de 300 judeus que tentavam fugir do extermínio.

Os repórteres o acharam num bar de Klagenfurt, sul da Áustria, assistindo ao jogo Suíça versus Áustria pelo campeonato europeu, braços dados com Edeltraut, sua mulher desde os tempos da Ustasha. Asner estava com 96 anos. “Achamos nazista procurado na Eurocopa 2008”, foi a manchete do Sun. O caçador de nazistas foi ao presidente da Croácia, Stjepan Mesic, que solicitou a extradição do acusado. Mas Viena recusou. Atestaram a incapacidade física de Asner. “Ele estava num bar bebendo e assistindo a um jogo de futebol”, revolta-se Zuroff. O acusado continua na Áustria.

Monstro moral. “Não se sente estranho perseguindo velhinhos?”. Idade não pode se tornar refúgio para pessoas que, quando puderam, usaram toda a sua capacidade física para exterminar inocentes, diz pausadamente Zuroff. Afirma ainda que, em dois anos, não haverá mais criminoso do Holocausto para ser perseguido. Mas hoje, diante de criminosos com o mínimo de capacidade física, é preciso fazer justiça, afirma.

“Mas até que ponto é possível se fazer justiça diante de um genocídio?” Zuroff pega fôlego, mas o repórter o interrompe para esclarecer: ao assistir ao julgamento em Jerusalém de Adolf Eichmann, arquiteto da deportação de judeus na Áustria e Checoslováquia, a filósofa Hannah Arendt disse que a promotoria queria colocar “um monstro” no banco dos réus, mas encontrou apenas um burocrata medíocre que cumpria ordens e só usava platitudes para se expressar. Contudo, o próprio Zuroff descreve como “um monstro moral” uma de suas principais caças, o húngaro Sandor Kepiro, responsável pela morte de quase 5 mil inocentes no massacre de Novi Sad, Sérvia, em 1942. (Ele está vivo e solto na Hungria, que se recusa a julgá-lo.)

Mas Kepiro, um ser notadamente cruel, é exceção, ressalta Zuroff. “Foram pessoas normais que perpetraram o Holocausto”, completa. O fato de a reparação total ser inalcançável não pode impedir a Justiça de agir.

O caçador de nazistas aproveita para sublinhar suas divergências com Hannah Arendt. Zuroff foi convidado a escrever o prefácio da primeira versão em russo de Eichmann em Jerusalém, livro no qual a filósofa explicita sua tese sobre a mediocridade do genocida. As críticas do americano à obra foram tão duras que seu texto virou posfácio. “Arendt, alemã ‘assimilada’, chega a mostrar ódio contra os judeus da Europa Oriental”, diz titubeando, como quem teme se exceder nas palavras. “Ela os acusa de colaboração ativa com os nazistas, mas eles não tinham escolha. Líderes judeus negociavam sob a espada para salvar o máximo de pessoas.”

A colaboração com o nazismo recebe do historiador importância adicional, numa espécie de militância. Zuroff veio a São Paulo para dar uma palestra no Sesc Pompeia, que abriga uma exposição sobre o Holocausto. Antes de sua fala no evento, o Estado pediu para tirar uma foto sua contra um painel fotográfico. Ele não quis. A imagem gigante mostrava partisans sabotando os trilhos usados por trens nazistas. “Vamos tirar a foto daqueles que colaboraram” com o nazismo, disse, conduzindo o repórter até uma imagem do massacre de Kovno, na Letônia, no qual estima-se que 9 mil judeus (incluindo mais de 4 mil crianças) foram fuzilados, em um trabalho feito quase exlusivamente por letões.

Zuroff evita comentar a situação entre palestinos e israelenses e o fato de o Holocausto ter entrado na esfera da política. Na palestra, uma garota, keffieh palestino no pescoço, pergunta-lhe por que há tão poucos caçadores de nazistas no mundo. O tema é fundamental, diz o historiador, mas hoje há coisas mais urgentes: “O Irã nuclear e o jihadismo”.

FONTE: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,o-ultimo-cacador-de-nazistas,565599,0.htm

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: