Skip to content

Lançamento de “O que resta da ditadura”, de Edson Teles e Vladimir Safatle (orgs.)

09/03/2010

O que resta da ditadura
a exceção brasileira

de Edson Teles e Vladimir Safatle (orgs.)

Debates
Quinta-feira, dia 18 de março
17h – Mesa 1: Por que a verdade precisa de uma comissão?
Com Edson Teles, Fábio Konder Comparato e Glenda Mezarobba
19h30 – Mesa 2: Políticas da verdade e da memória
Com Paulo Arantes, Paulo Vanucchi e Vladimir Safatle
USP – Auditório da História (FFLCH)
Rua do Lago, 717
São Paulo – SP

Noite de autógrafos
Sexta-feira, 19 de março
Entre 19h e 22h
Livraria da Vila
Alameda Lorena, 1731 (piso superior)
São Paulo – SP


‘Quem controla o passado,
controla o futuro.’ (
George Orwell, 1984)

Bem lembrada pelo escritor norte-americano, na frase que serve de epígrafe ao livro, a importância do passado no processo histórico que determinará o porvir de uma nação. É justamente o que torna fundamental esta obra. Organizada por Edson Teles e Vladimir Safatle, O que resta da ditadura reúne uma série de ensaios que esquadrinham o legado deixado pelo regime militar na estrutura jurídica, nas práticas políticas, na literatura, na violência institucionalizada e em outras esferas da vida social brasileira.

Fruto de um seminário realizado na Universidade de São Paulo (USP), em 2008, o livro reúne textos de escritores e intelectuais como  Maria Rita Kehl, Jaime Ginzburg, Paulo Arantes e Ricardo Lísias, que buscam analisar o que permanece de mais perverso da ditadura no país hoje. Assim, o livro possui também um caráter de resistência à lógica de negação difundida por aqueles que buscam hoje ocultar o passado recente, seja ao abrandar, amenizar ou simplesmente esquecer este período da história brasileira.

Segundo Edson Teles e Vladimir Safatle, a palavra que melhor descreve esta herança indesejada é “violência” – medida não pela contagem de mortos deixados para trás, mas por meio das marcas encravadas no presente. Para os organizadores, “neste sentido, podemos dizer com toda a segurança: a ditadura brasileira foi a mais violenta que o ciclo negro latino-americano conheceu.

Ensaios e autores
Militares e anistia no Brasil: um dueto desarmônico
Paulo Ribeiro da Cunha

Relações civil-militares: o legado autoritário da Constituição brasileira de 1988
Jorge Zaverucha

“O direito constitucional passa, o direito administrativo permanece”: a persistência da estrutura administrativa de 1967
Gilberto Bercovici

Direito internacional dos direitos humanos e lei de anistia: o caso brasileiro
Flávia Piovesan

O processo de acerto de contas e a lógica do arbítrio
Glenda Mezarobba

Tortura e sintoma social
Maria Rita Kehl

Escritas da tortura
Jaime Ginzburg

As ciladas do trauma: considerações sobre história e poesia nos anos 1970
Beatriz de Moraes Vieira

O preço de uma reconciliação extorquida
Jeanne Marie Gagnebin

Brasil, a ausência significante política
Tales Ab’Sáber

A política do bloqueio, o bloqueio da política 1964, o ano que não terminou
Paulo Eduardo Arantes

Do uso da violência contra o Estado ilegal
Vladimir Safatle

Os familiares de mortos e desaparecidos políticos e a luta por “verdade e justiça” no Brasil
Janaína de Almeida Teles

Entre justiça e violência: estado de exceção nas democracias do Brasil e da África do Sul
Edson Teles

Dez fragmentos sobre a literatura contemporânea no Brasil e na Argentina ou de como os patetas sempre adoram o discurso do poder
Ricardo Lísias

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: